Teve início a 7ª edição do Congresso Internacional de Conhecimento e Inovação

setembro 11, 2017

Teve início na manhã de hoje (11), a 7ª edição do Congresso Internacional de Conhecimento e Inovação – CiKi 2017. O evento reúne representantes de instituições públicas, privadas, acadêmicas e do terceiro setor, em discussões, palestras, troca de experiências, apresentação de novas tendências e estudos na área.
O CiKi busca promover o desenvolvimento conceitual, metodológico e estimular a prática de gestão do conhecimento, de capital intelectual e de gestão da inovação. “É um congresso científico, com discussões voltadas para a academia. Mas também busca trazer as experiências, estudos e pesquisas aplicadas em ambientes práticos. Estes laboratórios práticos podem ser um grupo, uma única pessoa, uma empresa ou a sociedade, pois, de alguma forma, todos trabalham com a matéria-prima que é a gestão do conhecimento”, destaca o coordenador geral do CiKi, professor Paulo Selig.
O evento é uma iniciativa do Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com apoio de instituições nacionais e internacionais. A edição 2017 está acontecendo no Parque Tecnológico Itaipu (PTI). “Um diferencial deste ano foi trazer o CiKi para um parque tecnológico. A nossa expectativa é começar uma rede de cooperação, trazendo projetos futuros para esta região. O CiKi permite essa criação de redes, envolvendo pesquisadores – principalmente da América Latina – e incentivando que se façam pesquisas conjuntas”, explica Selig.
“Conhecimento e Inovação: energia para o desenvolvimento” é tema desta edição do congresso. Em dois dias serão realizadas 15 atividades, entre palestras; networking temático; e mesa redonda, além da apresentação de um total de 187 artigos de pesquisadores brasileiros e estrangeiros. Os participantes foram recepcionados pelo pró-reitor da UFSC, Rogério Cid Bastos. “Não conseguiremos promover o desenvolvimento que essa nação merece sem investir em estudo, especialmente em vetores como a inovação. Para ter inovação precisamos associar  conhecimentos e energia. E este evento é uma oportunidade de discutir os três eixos”, disse.
Na abertura do evento, o diretor superintendente do PTI, Ramiro Wahrhaftig falou sobre a importância da criação de condições para que o desenvolvimento aconteça e destacou os benefícios no compartilhamento de recursos humanos para pesquisas básicas e aplicadas. “Juntos, academia, governo e iniciativa privada, tem a possibilidade de mudar as condições de desenvolvimento da região e do país, mas precisamos estar alinhados”, disse. “O Parque está criando uma rede para discussão de inovação em áreas de interesse, que promovam o desenvolvimento regional, que são três: energias renováveis, tecnologias sustentáveis ligadas a água e agricultura sustentável – vocação desta região. Nisso podemos envolver os melhores pesquisadores, desde que saibamos quem são e que possibilitemos uma estrutura para que trabalhem juntos”, pontuou.
Wahrhaftig lembrou que a Itaipu Binacional foi criada com a missão de gerar energia, mas que tem também preocupação em promover sustentabilidade e o desenvolvimento territorial. “O PTI foi criado para ser uma estrutura de apoio ao desenvolvimento socioeconômico e ambiental. Estamos em uma região trinacional e precisamos pensar no crescimento de toda essa ‘metrópole das três nações’. Esta região vai se desenvolver muito nas próximas décadas, pois temos todas as condições para isso”, considerou.
No próximo ano, o Ciki acontece em Guadalajara, no México. “Vejo o CiKi como um evento estratégico sobre inovação. Está se posicionado como um fórum latino-americano para intercâmbio de experiências sobre ecossistemas de inovação. Os temas, em cada edição, se equilibram entre interesses locais e discussões internacionais”, avaliou Fernando Daniels, diretor da Organização Universitária Interamericana, parceira do CiKi.